26 janeiro, 2009

Tantos Anos



"Tantos anos passaram !
Tantos ventos nos fustigaram,
Tantas águas passaram por debaixo das nossas pontes,
E tu ainda vens reflorescer na minha memória !
Com um viço tirado ao fulgor das manhãs,
Surges onde te julgava desaparecida,
Tens nascentes por todo o lado.
Vejo-te nos trejeitos de ondas oceânicas,
A brilhar ao lado das estrelas,
Na fulgurância do Sol !
Eu sei que me descobres desejos às mais rubras maças.
O teu jardim do Éden estende-se pela Terra inteira,
Tem muitas árvores da tentação a cercar-me,
Muitas serpentes voluptuosas a seguir-me:
Tu és o caminho para a vida !
Mas mais incómodas que as tentações,
É a saudade de querer voltar para ti,
Essa dor de te suspeitar sozinha,
Essa distância que quase te toca
E sempre fica aquém, intransponível !
É da tua imagem, a relampejar-me na alma,
Que os meus vulcões explodem a lava mais rubra,
Que se me aquece o sangue quando a tristeza o esfria !
Como gostaria de estar aceso nos teus secretos desejos,
E de novo reaprender a voar para te poisar nos ramos:
Ser eu e tu, outra vez, lume de uma só fogueira !?... "

Autoria de Martz Inura







3 comentários:

Ni disse...

"E de novo reaprender a voar para te poisar nos ramos"

Voas comigo... Vamos na mesma direcção, não há necessidade de voarmos sozinhas!

Um beijo muito sereno**

Isa disse...

Ni,
Obrigado por tudo.
Um beijo para ti também.

Emídio Ferreira de Aguiar disse...

Há muito que estão silêncio,
De certeza que continuam a voar,
Inquestionavelmente, são anjos!
Martz Inura